Review: iPhone X

voltar

Ter, 02/01/2018 - 10:11

Um iPhone com fator X

O tão aguardado iPhone X da Apple é já uma realidade que pode estar na palma da sua mão.

Mais refinado, mais potente, mais inteligente. O novo iPhone não deixa margem para dúvidas quanto às suas qualidades e à experiência de utilização ímpar que pode proporcionar aos seus utilizadores.

Se quer ficar a conhecer melhor a mais recente pérola da marca da maçã, nada melhor do que ler esta review que a Magazine leva até si.

 


Elegância, inovação e resistência

Em todos os seus produtos a Apple sempre primou pelo minimalismo e pela simplicidade, e o iPhone X é sem dúvida o exemplo supremo destes dois atributos, alicerçando boa parte dos mesmos no seu ecrã.

Disponível em duas cores (cinzento sideral e prateado) é indiscutivelmente mais do que um simples smartphone, tornando-se parte do estilo que caracteriza aqueles que o utilizam.

Os materiais de qualidade e os seus acabamentos premium são um indício inegável da qualidade que o reveste por fora e uma clara afirmação da potência e inteligência que reside no seu interior.

 

Elegante e resistente, com classificação IP67

 

Precisamente por isso, o iPhone X apresenta na sua face frontal e traseira um revestimento de vidro. Este revistimento protege a estrutura de liga de aço inoxidável de grau cirúrgico de qualquer eventualidade que possa surgir, mesmo que haja água ou pó à mistura. Este facto, confere ao iPhone X classificação IP67, o que revela o elevado grau de resistência física do mesmo.

Com o peso de 174 gramas, é relativamente leve face às suas dimensões de 143,6mm de altura, 70,9mm de largura e 7,7mm de profundidade que albergam um ecrã de 5,8”.  

No que à personalização diz respeito, a Apple também não deixou créditos em mãos alheias. Ao dispor estão uma vasta linha de capas de proteção em diferentes modelos, cores e materiais, bem como diversos acessórios que vão desde bases de carregamento sem fios a AirPods.

Vivacidade e brilho no seu melhor

Dado o seu papel de elevada importância no design e estrutura do próprio smartphone, a Apple, que sempre se demarcou pela qualidade de imagem apresentada, subiu uma vez mais a fasquia neste capítulo por intermédio do iPhone X.

As 5,8 polegadas de ecrã OLED Multi-Touch Super Retina HD que ocupam toda a superfície frontal do smartphone apresentam cores verdadeiramente vibrantes e abismais - muito graças à relação de contraste existente de 1.000.000:1, ampliada pela luminosidade que o ecrã apresenta.

 

Ecrã mais limpo por mais tempo graças ao revestimento oleofóbico

 

A sua superfície possui revestimento oleofóbico resistente a dedadas, permitindo que o ecrã fique limpo por mais tempo. Deste modo, pode usufruir da resolução de 2436x1125 a 458 ppp sem qualquer perturbação visual causada por sujidade.

Desempenho profissional

Um ecrã com tantas capacidades que o elevam ao lugar de destaque que ocupa, tem de ter associada uma câmara – ou neste caso, duas – que o acompanhem na plenitude a nível de qualidade.

 

Se com uma câmara já era bom, com duas é ainda melhor

 

As câmaras principais situadas na parte traseira do smartphone possuem 12MP cada uma, sendo que uma delas é uma objetiva de grande angular com abertura de ƒ/1,8 e estabilização ótica de imagem, enquanto que a outra se trata de uma teleobjetiva com abertura de ƒ/2,4 que possui, igualmente, estabilização ótica de imagem.

O processador de sinal de imagem desenvolvido pela marca norte americana foi também alvo de melhorias face ao seu antecessor  A imagem final foi otimizada, ao detetar não só todos os elementos no campo de visão captado pela câmara, mas também os movimentos e as condições de luminosidade. O processamento avançado de pixéis e a focagem automática mais rápida são também duas melhorias que merecem destaque face a versões anteriores.

 

Mesmo em condições de fraca luminosidade, o iPhone X apresenta imagens de grande qualidade

 

Fotografar é pintar com luz e sem ela tudo se torna mais difícil. Contudo, graças ao sistema Dual OIS, a captação de imagens em ambientes com fraca luminosidade vê a sua qualidade subir graças à estabilização ótica de imagem presente nas duas câmaras principais.

Apesar do Dual OIS ser chave na captação de imagem em baixa luminosidade, o novo flash True Tone quad-LED com sincronização lenta é também uma preciosa ajuda. Este flash permite que o primeiro plano seja mais bem iluminado num local com pouca luz com um fundo bem exposto. isto proporciona uma iluminação duas vezes mais uniforme do que os flashes convencionais, evitando assim o excesso de luminosidade em pontos específicos da imagem.

 

Qualidade máxima, metade do tamanho

 

A tecnologia de compressão HEIF é sem dúvida uma das grandes vantagens a nível de conteúdos visuais gerados pelo iPhoneX. Graças a esta característica, é possível manter a qualidade de imagem, reduzindo o tamanho da mesma para metade. Deste modo, é possível captar muitos mais momentos e ocupar menos espaço de armazenamento.

Se a qualidade de imagem em fotografia é estonteante, em vídeo não fica atrás. Seja um cineasta amador ou profissional, poderá contar com um codificador de vídeo capaz de processar a imagem em tempo real e compressão HVEC, que à semelhança do sistema HEIF permite manter a qualidade de imagem no máximo compactando o ficheiro para metade do tamanho.

 

Qualidade cinematográfica, seja em real speed, slow motion ou 4K

 

Com vídeos em câmara lenta em 1080p até 240fps e 4K até 60fps, a estabilização de imagem é um elemento fundamental para acrescentar qualidade ao conteúdo final. O iPhone X conta então com estabilização de vídeo avançada, melhorada através de um sensor maior apoiado pelo sistema ISP. Esta melhoria é claramente notória através da fluidez e nitidez apresentada nos vídeos.

 

TrueDepth: a câmara revolucionária

 

Apesar de tudo, a grande revolução a nível de captação de imagem surge com a câmara de 7MP TrueDepth.

A Apple conseguiu integrar  câmaras e sensores sofisticados que captam a informação base para despoletar a atividade levada a cabo por funcionalidades - como o Face ID ou até mesmo o poderoso processador A11Bionic.

Na sua integra, o conjunto responsável pelas características TrueDepth é composto por uma câmara de IV, um iluminador de IV global, um sensor de proximidade, um sensor de luz ambiente, um altifalante, microfone, uma câmara de 7MP e um projetor de pontos. Tudo isto encontra-se situado no topo da superfície frontal do smartphone.

O modo retrato do iPhone X eleva este tipo de fotografia a um novo patamar no que ao panorama dos smartphones diz respeito. A profundidade de campo proporcionada pela câmara TrueDepth em conjugação com o processador A11 Bionic é capaz de manter o rosto captado na imagem extremamente nítido, enquanto o seu fundo apresenta um aspeto desfocado, tal e qual como é possível observar em imagens captadas por máquinas fotográficas profissionais.

 

Imagens profissionais na palma da mão

 

Como se por si só esta funcionalidade não bastasse, a Apple proporciona ainda uma tecnologia de iluminação de retrato que recorre a algoritmos avançados para compreender a forma como a luz e os traços do rosto captado se relacionam, de modo a criar o efeito de iluminação correto para a imagem captada. Estes efeitos vão desde a luz natural à luz de estúdio, sem esquecer efeitos como luz de contorno ou luz de palco.

Graças às capacidades de reconhecimento facial proporcionadas pela TrueDepth - capaz de captar e analisar mais de 50 movimentos musculares diferentes - permite também alguma diversão, ao transpor para os emojis as expressões faciais do seu utilizador, tornando-os em “animojis” que podem ser partilhados via mensagem.

A superinteligência de bolso

Outro dos pontos fortes deste smartphone é a sua inteligência, que se associa diretamente às suas características de segurança.

Primeiro as palavras-passe e os códigos, depois as impressões digitais e agora o reconhecimento facial. É esta a senha para a segurança nos tempos de hoje. O Face ID é atualmente a melhor e mais completa forma de garantir a segurança e privacidade de qualquer dado.

 

Face ID: proteção máxima, para um smartphone de topo

 

Se à primeira vista configurar as definições de reconhecimento facial pode parecer algo complexo, na realidade é uma tarefa bastante simples. Isto porque o Face ID utiliza a câmara TrueDepth de modo a desenvolver um mapa de profundidade do rosto do utilizador em pormenor.

 

Sem o mesmo, o FaceID ou os Animoji não constariam na lista de inovações que compõem o iPhone X.

 

Apesar de por si só o reconhecimento facial do utilizador ser uma característica fascinante, a Apple foi ainda mais além neste campo. Atribuiu ao Face ID capacidades de aprendizagem automática, para que as alterações no rosto do utilizador sejam detetáveis através de reconhecimento adaptativo.

 

O processador A11 Bionic é o mais avançado processador de sempre a integrar um iPhone

 

Toda esta superinteligência só é possível graças ao processador A11 Bionic, que integra um coprocessador de movimento M11 e é possuidor de um sistema neural - componente de hardware especificamente desenvolvido para sistemas de aprendizagem automática - para que os computadores possam aprender via observação.

É deste modo que o iPhone X é capaz de reconhecer pessoas, locais e objetos, aprendendo de forma automática graças a um ritmo de operações por segundo que se sítua nos 600 mil milhões.

Mais potente. Mais rápido. Mais.

Claro que tudo isto tem de ter por trás um processador muito especial. O A11 Bionic é o processador mais inteligente alguma vez implementado num iPhone. Consegue executar 600 mil milhões de operações por segundo, o que o torna de facto num expoente máximo no que diz respeito ao desempenho.

Este processador possui seis núcleos de eficiência e 4,3 mil milhões de transístores, que com os seus quatro núcleos de eficiência – 70% mais rápidos – e dois núcleos de desempenho - 25% mais rápidos – do que o processador A10 Fusion, fazem deste o processador mais potente de sempre num smartphone da marca.

 

Menos esforço, mais bateria

 

Ao distribuir tarefas entre os núcleos de desempenho e eficiência, estas não só são feitas com maior velocidade, como consomem menos energia à bateria. Esta distribuição de tarefas aliada ao design da bateria fazem com que o iPhone X, em relação ao iPhone 7, proporcione aos seus utilizadores uma autonomia mais alargada em aproximadamente duas horas.

A bateria é de iões de lítio e revela ter uma autonomia de conversação até 21 horas. Em 30 minutos consegue atingir os 50% de carga, sendo ideal para quem tem uma vida agitada.

O nível de desempenho deste processador torna o iPhone X no companheiro ideal para os fãs de realidade aumentada, conferindo mais fluidez e realismo a esta experiência - seja em jogos ou apps.

O iPhone X tem integrado o iOS 11, especificamente desenvolvido para este smartphone para que nada fosse deixado ao acaso.  Este modelo apresenta funcionalidades únicas e gestos próprios que o destacam dos restantes smartphones através da sua dinâmica própria, ainda que este SO seja também compatível com outros dispositivos da marca.


9 Pontuação

Smartphone iPhone X 256GB Cinzento sideral


Prós

  • Design elegante e qualidade de construção
  • Inteligência e potência
  • Qualidade de imagem


Contras

  • Preço
  • Baixo nível de compatibilidade com dispositivos de outras marcas

Veredito

Sem dúvida que o iPhone X da Apple é um dos melhores smartphones alguma vez vistos. Tanto no design como na performance espelha as aspirações da Apple ao mais alto nível e apresenta-se como o mais completo embaixador da marca até agora.

Com tantas qualidades, trata-se de um smartphone que não passa despercebido a ninguém. Particularmente, é interessante aos olhos de todos aqueles que procuram um verdadeiro computador de bolso, que querem estar na vanguarda da tecnologia e que são amantes de linguagem e cultura visual - seja esta representada através de imagens estáticas, vídeos ou experiências de realidade aumentada e animações.

DESEJA APAGAR ESTE POST? SIM NÃO