Review: Horizon Zero Dawn

voltar

Qui, 09/03/2017 - 20:02

Um vislumbre do futuro

Será que daqui a mil anos a Terra já não será nossa? A resposta é dada pela Guerilla Games no seu mais recente título, “Horizon: Zero Dawn”, e é claramente afirmativa. Num mundo onde as máquinas e a natureza colidem e o ser humano é relegado para segundo plano, Aloy é a nossa guia para tamanha aventura. É aqui, na Magazine, que o bilhete de entrada neste admirável mundo novo reside. Está pronto para avançar?


Assim será o pós-apocalipse

Com mil anos de avanço, a realidade no planeta Terra é em tudo distinta à que hoje conhecemos. O betão, o aço e o alcatrão deram lugar à madeira, às folhas e à vegetação.

A espécie humana vê-se em vias de extinção e é regida pela lei da sobrevivência do mais forte, em que as nações se reduziram a tribos que lutam pela sua supremacia e sobrevivência num mundo dominado por máquinas, mistérios e ruínas.

Cordilheiras geladas a norte e selvas quentes e húmidas a sul marcam os pontos de referência da bússola que guia o jogador ao longo desta aventura repleta de combates estratégicos. Paisagens deslumbrantes e enigmas desafiantes que ajudam a fazer de Horizon Zero Dawn o RPG do momento.

 

Aloy: a caçadora lendária

Aloy é uma autêntica guerreira solitária. Desde nascença que luta pela sua sobrevivência, contando apenas com os ensinamentos transmitidos por Rost, um recluso peculiar que, no fundo, desempenhou os papéis parentais e ensinou a Aloy tudo aquilo que sabe.

Excluída de qualquer comunidade, exilada e sem saber quem são os seus verdadeiros pais, Aloy vê-se forçada a arriscar tudo para saber a verdade, partindo assim à aventura em busca das suas origens.

Ao longo desta jornada, a personagem principal deste apaixonante RPG terá de recorrer a toda a sua inteligência, habilidade e perícia para resolver enigmas e lutar contra máquinas e guerreiros das mais diversas tribos, enquanto descobre que ela própria é resposta a muitos dos seus porquês.

Forçada a lutar, Aloy dispõe de capacidades incríveis de combate e sobrevivência, mostrando o espírito guerreiro que lhe corre nas veias.

 

Quando sobreviver é lei e arte

Ao longo da sua cruzada, o recurso a armamento combinado com tecnologias ancestrais, como por exemplo, o Foco (um computador portátil que recorre a um sistema de realidade aumentada), é fulcral para alcançar o seu objetivo final, por isso é possível recorrer a comerciantes para adquirir ou trocar produtos essenciais para criar armas de qualidade superior ou roupas especiais que permitirão a Aloy defender-se melhor dos mais variados perigos.

Além de armas e roupa, é também possível recorrer a objetos roubados a inimigos ou, simplesmente, encontrados nos quase infinitos recantos deste planeta.

 

Animais metálicos

Em Zero Dawn, quem domina são as máquinas. Possantes, apetrechadas de armas e sem origem conhecida, dividem-se em classes e categorias, servindo diferentes objetivos e necessidades.

A analogia feita com as máquinas e os animais selvagens é clara, não só nas características físicas, como na sua forma comportamental que é espelhada num ecossistema próprio por elas criado e mantido.

Com recurso a tecnologias antigas, é possível converter o sistema de algumas destas máquinas de modo a que Aloy possa tê-las como aliadas ou descobrir novas informações que serão úteis na sua demanda ainda que, em alguns casos, este efeito de conversão seja apenas temporário.

Vistas como inimigas, alguns dos seus componentes, após serem removidos, são úteis para criar novos objetos e derrotar outros oponentes.

 

Identidade tribal

No decurso de toda a aventura, Aloy irá cruzar-se com diversas tribos como os Nora, os Carja, os Oseram e os Banuk, mas também com grupos mais extremistas e violentos como a Carja das Sombras ou os Bandidos.

Ao longo do jogo, Aloy acaba por se integrar nos Nora, tribo esta que é caracterizada pelo foco e ferocidade dos seus guerreiros, pela sua crença na Mãe Absoluta (deusa da natureza) e por serem vistos como bárbaros pelas restantes tribos que habitam este mundo.

Mil anos à frente 

A Guerrilla Games concebeu aquele que é, muito provavelmente, o mais belo jogo alguma vez criado, tanto pela estória que abraça, como pelos cenários dotados de uma beleza natural extraordinária.

Não se tratam apenas de paisagens deslumbrantes.

Trata-se do detalhe e da imagem cristalina, pintada com cores vívidas que nos transportam para uma realidade onde a natureza impera de forma perfeita.

Uma das melhores características com que Zero Dawn brinda os jogadores no campo gráfico é, sem dúvida, a sua estabilidade. A uma velocidade de 30fps, a ação desenrola-se com uma suavidade impressionante, praticamente sem falhas ou interrupções de qualquer ordem em quase todas as situações de jogo.

Se a isto juntarmos o facto de este título ter sido especificamente melhorado para a Playstation 4 Pro, conferindo-lhe, assim, uma maior resolução (1080p em TV HD 4K) e taxas de fotogramas superiores, o resultado final é um RPG de topo e absolutamente incontornável.

 

Mergulhe neste mundo 

Torne as tardes, os serões ou, até mesmo, as madrugadas gaming ainda mais imersivas, transportando-se para este mundo de fantasia.

Sinta-se dentro da história: escolha o equipamento certo tendo em conta o tipo de experiência que pretende obter e os conteúdos que gosta enquanto jogardor e telespectador - dois importantes influenciadores no momento da compra do equipamento certo.

Seja para jogar, assistir a um filme ou, simplesmente, fazer zapping, o importante é que seja com uma televisão com a grandeza de performance deste Horizon: Zero Dawn.

 

Incomparável 

Não será demais dizer que Horizon: Zero Dawn é um dos melhores RPG alguma vez desenvolvidos. Depois do sucesso da saga Killzone, a holandesa Guerrilla Games vê agora um futuro brilhante, com Aloy a guiar o caminho. Mesmo para os menos apreciadores do género, Zero Dawn tem a fantástica capacidade de teletransportar o jogador para um mundo completamente díspar do conhecido, quase automaticamente, sem que este se aperceba de imediato quão imerso está na aventura.

A grande qualidade dos gráficos e o interminável mundo convidam a explorar todos os recantos deste RPG.

 

 

A qualidade gráfica é soberba e o terreno a explorar é vasto e diverso o suficiente para passar horas intermináveis a explorar todos os recantos deste título que promete tornar-se icónico. Horizon: Zero Dawn deixa, assim, uma marca incomparável no mundo gaming.


10 Pontuação

Jogo PS4 Horizon Zero Dawn


Prós

  • Storytelling fascinante
  • Vastidão e diversificação do mapa
  • Qualidade gráfica (melhorada para PS4 Pro)


Contras

  • A função de waypointing nem sempre é suficientemente precisa

Veredito

Zero Dawn pode ser considerado uma obra-prima dos videojogos, seja pela estória, gráficos ou horas infindáveis de diversão. Será que haverá um novo capítulo no horizonte? A avaliar pela aventura de Aloy, a resposta esperada só poderá ser um enorme sim!

Comentários

0 COMENTÁRIOS
Retrato de Anónimo
DESEJA APAGAR ESTE POST? SIM NÃO